Campinas elimina faixa salarial em financiamento de moradias, mas prevê alta em atendimentos


Meta da prefeitura é atender, até dezembro, 200 famílias com renda mensal de até 3 salários mínimos. Financiamento para reformas chega a R$ 20 mil e teto para construção é de R$ 50 mil. Novas regras de financiamento foram anunciadas por Jonas nesta quinta-feira
Carlos Bassan / Prefeitura
O financiamento de novas construções ou reformas habitacionais em Campinas (SP), por meio do Fundo de Apoio à População em Condições de Sub-Habitação Urbana (Fundap), será restrito às famílias com renda mensal de até três salários mínimos, segundo a Companhia de Habitação Popular (Cohab). Com isso, deixa de ser contemplada a faixa de três a seis salários mínimos.
A assessoria alega que esta mudança permite ampliação do atendimento às pessoas que são mais vulneráveis e residem em moradias inadequadas e precárias da cidade.
O governo estipulou meta de abranger 200 famílias até dezembro, total que representa alta de 132% no comparativo com as 86 atendidas durante 2018 – neste caso de até seis salários mínimos.
Questionada sobre a quantidade de moradores que precisam deste benefício, a Cohab ressaltou que há 41 mil moradores cadastrados na fila de espera por um imóvel próprio em Campinas. Além disso, informou que 100 mil famílias estão distribuídas em 260 áreas consideradas irregulares e, portanto, parte delas também deve atender aos requisitos exigidos pelo fundo de apoio.
Como será?
Segundo a Cohab, o financiamento para reformas chega a R$ 20 mil, enquanto que o teto para construção é de R$ 50 mil. As prestações cobradas das famílias são determinadas após uma análise social, mas a companhia destaca que, em média, não ultrapassam 10% da renda familiar.
O financiamento é concedido para imóveis localizados fora de áreas avaliadas como de risco, incluindo possibilidades de alagamento e desmoronamento. O perfil das famílias atendidas é:
Impossibilidade de acessar programas habitacionais como da Caixa Econômica ou Banco do Brasil por não atender aos critérios vigentes;
Residentes em imóveis com problemas graves de infiltração, vazamento, umidade ou problemas na rede elétrica;
Formadas por pessoas com mobilidade reduzida ou que têm graves problemas de saúde;
Residentes em áreas com adensamento excessivo – número elevado de pessoas por quarto;
A companhia destacou que o foco do programa é atender às famílias acompanhadas pela rede de serviços municipais. Por isso, os encaminhamentos são realizados pelas secretarias de Assistência Social, Pessoa com Deficiência e Direitos Humanos; ou Saúde e Defesa Civil.
Serviço
Mais informações podem ser obtidas pelo interessado na sede da Secretaria de Habitação – Rua São Carlos, 677, Parque Itália; pelo telefone (19) 3119-9615; ou site do Portal Cidadão.
Veja mais notícias da região no G1 Campinas.

%d blogueiros gostam disto: