Chefe de gabinete da Presidência do Tribunal da Lava Jato pede prisão de Lula no Face

‘Lula, o Brasil inteiro exige sua prisão’. A frase foi postada por Daniela Tagliari Kreling Lau, chefe de gabinete da Presidência do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4), o Tribunal da Lava Jato que, no próximo dia 24, vai julgar o ex-presidente no famoso processo do triplex do Guarujá.

Daniela postou na quarta-feira, 3, uma petição online para reunir adesões pela confirmação da condenação de Lula. Naquele dia, a servidora do TRF4 informava que, além dela, outras 233 pessoas endossaram o apelo pela prisão do ex-presidente.

Antes do Natal, Lula tentou tirar, novamente, Moro de ação da Lava Jato

O petista foi condenado em primeira instância, em julho de 2017, pelo juiz Sérgio Moro, que lhe impôs uma pena de 9 anos e seis meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro que teria recebido da empreiteira OAS em forma de melhorias no apartamento do litoral paulista.

Lava Jato investiga ‘Lula, o filho do Brasil’

Para executivo da Odebrecht, ‘Lula, filho do Brasil’ era ‘um tipo de louvação maléfico’

Palocci diz querer colaborar, mas silencia sobre ‘Lula, o filho do Brasil’

Executivos da Odebrecht relatam em e-mail ‘demanda’ de R$ 1 mi para filme sobre Lula

No dia 24, a Corte de apelação vai julgar os recursos da defesa de Lula e de outros seis réus neste processo.

Os advogados de Lula alegam que ele sofre uma atroz perseguição política.

O post de Daniela, em sua página pessoal no Face, reforça a ofensiva da defesa do ex-presidente.
Daniela retirou a mensagem.

No Twitter, a senadora Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, demonstrou perplexidade.

“Perseguição a Lula e ativismo político dentro do TRF4. É escandaloso. O que Lula pode esperar do Poder Judiciário, TRF4, se a chefe de gabinete do Presidente do Tribunal pede no seu Face a prisão de Lula, através de um abaixo-assinado?.”

COM A PALAVRA, O TRIBUNAL DA LAVA JATO

A reportagem fez contato com o Tribunal Regional Federal da 4.ª Região. O espaço está aberto para manifestação.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*