Doria anuncia programa para recapear vias de São Paulo a partir de novembro

Prefeitura da capital anuncia mais uma etapa do programa Asfalto Novo

Prefeitura da capital anuncia mais uma etapa do programa Asfalto Novo

A Prefeitura de São Paulo anunciou nesta terça-feira (10) o lançamento do programa Asfalto Novo, com previsão de investir R$ 350 milhões em 3 milhões de metros quadrados de asfalto para o recapeamento das principais vias de São Paulo.

Segundo o prefeito João Doria (PSDB), as obras começam 10 de novembro e devem durar até 30 de abril de 2018, “se tudo correr bem, porque não depende só de nós”, segundo o tucano.

“Vai depender das condições climáticas, já tem que tem que ser dias sem chuva, ou de depender de nenhuma interferência de ordem jurídica, que às vezes surgem sem a gente ter sequer expectativas”, afirmou Doria. A licitação para a contratação das empresas está em andamento.

Buraco em rua na Lapa, Zona Oesde de SP (Foto: Ronaldo Silva/Futura Press/Estadão Conteúdo)Buraco em rua na Lapa, Zona Oesde de SP (Foto: Ronaldo Silva/Futura Press/Estadão Conteúdo)

Buraco em rua na Lapa, Zona Oesde de SP (Foto: Ronaldo Silva/Futura Press/Estadão Conteúdo)

Dos R$ 350 milhões, R$ 210 milhões são provenientes do fundo de multas, já que uma decisão do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) passou a autorizar o uso do dinheiro das multas para asfalto em novembro de 2016. Outros R$ 100 milhões serão pagos pela prefeitura e R$ 40 milhões aplicados pela SPTrans no recapeamento de corredores de ônibus.

“As avenidas são nossa prioridade nas 32 prefeituras regionais e que estavam com o asfalto mais deteriorado”, disse Doria, salientando que a maioria dos trabalhos será à noite e que a população terá que tolerar certo barulho. O asfalto comprado pela Prefeitura terá que durar 8 anos, segundo o prefeito. “Algum pequeno ruído existirá. Não há como ter progresso em silêncio”, disse.

Entre as avenidas priorizadas estão:

  • Avenida Paulista;

Zona Norte:

  • Elísio Teixeira;
  • Engenheiro Caetano Álvares;
  • Zona Sul
  • Jorge João Saad;
  • Nazaré;
  • Interlagos;
  • Estrada de Pirajussara;

Zona Leste

  • Doutor Assis Ribeiro;
  • Marechal Tito;
  • Engenheiro Feijó Bittencourt;
  • Doutor Francisco Mesquita;
  • Aricanduva;
  • Mateo Bei;
  • Afonso Sampaio;
  • Souza;
  • Estrada de Poá;

Zona Oeste

  • Heitor Antônio Eiras Garcia;
  • Nove de Julho.

Segundo a prefeitura, 22 empresas participaram da licitação. O vice-prefeito e secretário das prefeituras regionais, Bruno Covas, disse que elas concorreram por 11 lotes, que representam agrupamento das prefeituras regionais e que cada empresa poderá ganhar no máximo dois lotes.

Doria comemorou o fato de as empresas terem aceitado que a Prefeitura não irá pagar o adicional noturno aos funcionários contratados. “Isso representou uma redução de 27,5% no nosso custo”, afirmou. Segundo Bruno Covas, a Prefeitura pagará o valor acordado às empresas contratadas e elas aceitaram a condição prevista no edital.

Bruno Covas descartou responsabilidade da administração pública sobre a falta de pagamento das empresas para os funcionários. “Isso não existe, eu tenho conhecimento jurídico”, afirmou.

Concessionárias

Segundo Doria, empresas a serviço da Sabesp irão pagar mais R$ 60 milhões por 400 mil metros quadrados de asfalto devido ao fato de quebrarem as vias públicas para obras.

O prefeito defendeu que, a partir de agora, este tipo de obra nas ruas só será feito com aval da administração pública. “Elas contribuíram muito para a situação do asfalto da cidade e é o preço que estão pagando para a recuperação”, disse.

Doria ameaçou ainda tomar medidas judiciais para impedir que concessionárias de água, gás e eletricidade façam buracos indiscriminados nas ruas. “E se não tiverem disciplina para seguirem a orientação da Prefeitura, esburacando a cidade outra vez, a Prefeitura usará todos os seus recursos, inclusive judiciais, para impedir que isso aconteça”, defendeu.

Deixe uma resposta