Médico desabafa sobre condições de trabalho em hospital: ‘Não tem onde colocar doente’ 

Hospital público do interior de SP sofre com situação caótica

Hospital público do interior de SP sofre com situação caótica

O atraso na marcação de cirurgias, falta de material hospitalar e espera por leitos nos corredores do Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS), unidade referência a 48 cidades da região, têm preocupado pacientes que dependem da rede pública de saúde.

Além dos pacientes que aguardam por atendimento, a situação também preocupa os profissionais da unidade. Um médico fez um desabafo em um e-mail para a ouvidoria do hospital e relatou problemas nas condições de trabalho no hospital.

No texto, o profissional alega que existe a falta de anestesista. O cirurgião tem apenas três dias por mês para operar e 60 pacientes no aguardo.

“Não tem onde colocar doente e a porta não pode fechar”, diz o médico no e-mail.

A TV TEM esteve nas instalações da unidade e mostrou os problemas de pacientes que dependem do hospital. Como é o caso de uma bebê que nasceu há 25 dias e há cinco espera um cateter para fazer hemodiálise.

“Ela está muito inchada. O estado dela é extremamente grave e há cada dia que passa fica mais grave ainda”, desabafa a mãe da bebê, Micaele Libralon.

Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde afirma que ainda nesta quarta-feira (11) o cateter será disponibilizado para o tratamento da bebê e ainda negou que haja falta de material hospitalar na unidade.

Médico mandou e-mail de reclamação para a ouvidoria (Foto: Reprodução/TV TEM)Médico mandou e-mail de reclamação para a ouvidoria (Foto: Reprodução/TV TEM)

Médico mandou e-mail de reclamação para a ouvidoria (Foto: Reprodução/TV TEM)

Já no caso do aposentado Fernando Bellagama descobriru um câncer de próstata há um ano e, na época, chegou a ficar quatro dias internado, mas depois foi liberado.

Os médicos disseram que só podem fazer a cirurgia quando tiver vaga na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), porque há riscos de complicações.

Recentemente, ele descobriu que é o último da fila de espera do setor de urologia. O motivo seria a falta de anestesista para fazer a cirurgia.

Inauguração de novo hospital

O secretário adjunto estadual da saúde, Eduardo Ribeiro Adriano alegou que o Conjunto Hospitalar vai ser reorganizado com a inauguração do novo Hospital Regional, prevista para o primeiro semestre de 2018.

“O CHS é um hospital que está em fase de transição. Vamos fazer uma mudança do perfil assistencial, principalmente com a inauguração do hospital que está em fase final de construção e irá dar um aporte de ofertas de serviços de saúde importante na região”, disse.

No entanto, há pacientes que sofrem com a espera pela cirurgia há três anos. Morador de Itu (SP), outro homem espera para colocar uma prótese no quadril e acabar com as fortes dores que comprometeram o movimento de uma das pernas.

Em nota, a assessoria da secretaria disse que ele passou por atendimento ambulatorial e não há pendência no atendimento. A família conta que não sabe mais o que fazer e a próxima está marcada só para agosto do ano que vem.

“Saber que ele era uma pessoa ativa, fazia tudo e agora depende das pessoas é triste”, conta a filha do idoso, Erica Vigatto.

A secretaria informou que o morador de Itu passou por atendimento ambulatorial e não há pendência no atendimento.

A família contesta e diz que até hoje, depois de três anos indo a consultas, ele não entrou na lista de espera da cirurgia, a assessoria disse que vai acompanhar o caso.

Veja mais notícias da região no G1 Sorocaba e Jundiaí

Pacientes reclamam do atendimento em Sorocaba (Foto: Reprodução/TV TEM)Pacientes reclamam do atendimento em Sorocaba (Foto: Reprodução/TV TEM)

Pacientes reclamam do atendimento em Sorocaba (Foto: Reprodução/TV TEM)

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*