O drama silencioso dos homens que não têm esperma

Franklin ouviu do médico, sem rodeios, que não está produzindo espermatozoides e não poderá ter filhos: 'Não houve apoio algum'

Franklin ouviu do médico, sem rodeios, que não está produzindo espermatozoides e não poderá ter filhos: ‘Não houve apoio algum’ BBC NEWS BRASIL

Há uma necessidade urgente de se enfrentar o problema do declínio da fertilidade masculina e de se discutir a prática cada vez mais comum de submeter as mulheres a tratamentos caros e invasivos de fertilização in vitro para tentar contornar a eventual falta de espermatozoides do homem, diz uma importante especialista em fertilidade. A questão, porém, nem sempre é fácil de encarar, dentro e fora de casa.

Para o homem, descobrir que é infértil pode ser uma experiência arrasadora e solitária.

No Reino Unido, onde hoje a infertilidade masculina é a razão mais comum para os casais buscarem fertilização in vitro, o britânico Craig Franklin soube bem o significado disso ao ser informado, sem rodeios, de que não tinha esperma.

Receber a notícia, lembra ele, significou se sentir sozinho e fragilizado, com a masculinidade abalada.

“O médico basicamente disse: ‘Você não está produzindo espermatozóides e não poderá ter filhos”, conta ele, aos 39 anos.

“Não houve apoio algum.”

Os efeitos do diagnóstico o atingiram com força e quase o levaram a romper o relacionamento com sua parceira Katie.

“Fiquei revoltado por um bom tempo, irresponsável com o dinheiro”, disse ele ao programa Victoria Derbyshire da BBC.

“Meu desempenho no trabalho piorou tanto que perdi o emprego no final do ano passado”, acrescenta.

Katie, que testemunhou o drama do companheiro, diz que vê-lo naquela situação foi “de partir o coração”.

“Eu vi um homem ser, basicamente, destruído. Ele não se sentia como um homem, e isso é muito injusto.”

'Os homens não estão sendo diagnosticados', diz a professora e especialista em fertilidade Sheena Lewis, apontando o foco sobre o problema como uma questão 'urgente'

‘Os homens não estão sendo diagnosticados’, diz a professora e especialista em fertilidade Sheena Lewis, apontando o foco sobre o problema como uma questão ‘urgente’ BBC NEWS BRASIL

Dados da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva, divulgados pela Sociedade Brasileira de Urologia, apontam que um casal é considerado infértil se, após um ano de tentativas sem o uso de nenhum método anticoncepcional, não consegue engravidar.

“Estima-se que o problema atinja aproximadamente 80 milhões de pessoas ao redor do mundo e que em cerca de 30% dos casos a infertilidade seja causada apenas por fatores masculinos, enquanto que em 20% as causas são combinadas (ou seja, seja causada por fatores masculino e feminino).

A professora Sheena Lewis, presidente da Sociedade Britânica de Andrologia – que visa melhorar os cuidados de saúde reprodutiva dos homens – e uma das maiores especialistas em fertilidade no Reino Unido, diz que a falta de foco na infertilidade masculina dentro do sistema de saúde é um problema “urgente”.

“Os homens não estão sendo tratados adequadamente, não são diagnosticados e não estão recebendo os devidos cuidados”, diz ela.

A qualidade do esperma masculino no mundo ocidental está em declínio, mas pouco se sabe sobre como melhorá-la – e, no Reino Unido, há poucos tratamentos disponíveis no serviço público de saúde, o NHS.

Isso tem levado a uma situação “absurda”, diz a professora, em que as mulheres rotineiramente precisam passar por fertilização in vitro – mesmo que não haja nada de errado com sua própria fertilidade.

“A mulher atua, na verdade, como a terapia para o problema (da deficiência de esperma) do homem “, diz ela.

“Estamos oferecendo um procedimento invasivo a uma pessoa que não precisa dele, com o objetivo de tratar outra pessoa. Isso não acontece em nenhum outro ramo da medicina.”

Lewis acrescenta que a questão também representa uma “enorme despesa para o sistema de saúde”, em um momento em que a fertilização in vitro está sendo limitada em muitas partes do país.

Danos no DNA

Um casal que falou ao programa Victoria Derbyshire em condição de anonimato poderia nunca ter tido o filho se não tivesse explorado outras opções no âmbito da rede privada de saúde.

No NHS, eles receberam uma rodada de fertilização in vitro – apesar de a parceira ter boa fertilidade -, mas a técnica falhou devido à deficiência de esperma do homem.

“Foi uma experiência muito desagradável. Injetar-se com agulhas que não funcionam na primeira tentativa não é fácil, não é divertido”, explica ela.

Depois disso, o homem procurou a ajuda de uma clínica particular e fez uma cirurgia – mais barata que a rodada de fertilização in vitro – para tratar varicocele, uma dilatação anormal nas veias do testículo que causa não só dor e inchaço, mas também pode reduzir a quantidade e também a qualidade de espermatozoides.

A doença afeta até 40% dos homens com problemas de fertilidade. Nesse caso específico, depois do tratamento, a mulher engravidou naturalmente.

Para Stephen Harbottle, especialista em pesquisas clínicas que ajudou a desenvolver as diretrizes de fertilidade para o Instituto Nacional de Saúde e Excelência Clínica do Reino Unido (NICE, da sigla em inglês), ao passo que o tratamento da varicocele não funciona para todos os homens, o NHS deve garantir que outras opções sejam exploradas antes que a fertilização in vitro seja oferecida a um casal.

Isso inclui soluções simples, como suplementos alimentares ou exames para verificar se há danos no DNA do esperma.

A razão pela qual isso não acontece atualmente, diz ele, é que “os médicos não têm outras opções disponíveis além de encaminhar os pacientes para fertilização in vitro”.

“Os homens, de certa forma, estão apenas sendo conduzidos pelo sistema”, acrescenta.

Mark e Suzanne Harper tiveram duas filhas com esperma de doador

Mark e Suzanne Harper tiveram duas filhas com esperma de doador BBC NEWS BRASIL

Alguns homens com problemas de fertilidade também afirmam se sentir deixados de lado pelos médicos, que, segundo eles, se concentram nas mulheres.

Mark Harper – da cidade de Ilkeston, no condado de Derbyshire, na Inglaterra – teve dois filhos concebidos através do esperma de um doador.

Mas quando os médicos descobriram inicialmente que ele não tem esperma, foi sua esposa, em vez dele, quem foi chamada para receber a notícia.

“Se o assunto são os problemas de infertilidade de um homem, era com ele que você deveria estar falando a respeito”, diz ele.

O Royal College of GPs, a associação profissional de médicos da família no Reino Unido e no exterior, disse em um comunicado que seus membros eram “altamente treinados para ter conversas sensíveis e sem julgamentos com todos os pacientes, inclusive a respeito de problemas com a fertilidade e as melhores opções para seguir em frente”.

Relógio biológico masculino

A professora Sheena Lewis diz que a falta de atenção à fertilidade masculina também significa que os homens não são educados a respeito de sua saúde reprodutiva e podem, de forma equivocada, tomá-la como garantida.

“Os homens têm um relógio biológico. E, conforme o tempo passa, por causa de seu estilo de vida, há cada vez mais chances de ocorrerem mutações em seus espermatozoides.

“Homens com mais de 45 anos são mais propensos a ter filhos que terão câncer na infância ou com distúrbios psiquiátricos, como transtorno bipolar ou autismo”, diz ela, acrescentando que acredita que esse também seja provavelmente o caso de homens mais jovens com má qualidade de espermatozoides.

Katie e Craig dizem que levaram um ano e meio para aceitar a impossibilidade de ter filhos sem o esperma de um doador

Katie e Craig dizem que levaram um ano e meio para aceitar a impossibilidade de ter filhos sem o esperma de um doador BBC NEWS BRASIL

Katie e Craig dizem que os médicos presumiram que eles não conseguiram ter filhos por causa de Katie – e ela, inclusive, foi testada antes que qualquer questão quanto à fertilidade de Craig fosse considerada.

Com a fertilização in vitro negada pelo NHS, o casal está agora em busca de esperma de doador na rede privada.

Reflexo do estigma em torno da infertilidade masculina, esta é a primeira vez que Craig fala abertamente sobre o assunto – até agora, nem mesmo seus amigos sabiam.

“Isso não é algo um tema de discussão muito viril”, diz ele. “É algo que é encoberto… não é comentado.”

O casal diz que levou um ano e meio para aceitar a impossibilidade de ter filhos sem o esperma de um doador – o que foi agravado pelo fato de nunca terem recebido a oferta de apoio emocional.

Mas agora eles estão superando isso.

“Estamos mais fortes do que nunca”, diz Katie.

“Mas outros casais podem não ser tão fortes como nós. Eles podem não ser capazes de lidar com isso e eu posso entender por que – é muito difícil para o homem conseguir aceitar que não é capaz de dar um filho a sua esposa.”

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: