Paralisação contra reformas do governo afeta trânsito, transporte e serviços em Campinas e região

Movimento nacional protesta contra as reformas trabalhista e da Previdência nesta sexta-feira (28). Manifestações afetaram trânsito, transporte público e serviços.

Paralisações gerais na região de Campinas (SP) – por conta do dia de protestos contra as reformas trabalhista e da Previdência em todo o Brasil – afetaram trânsito, transporte público e serviços em algumas cidades, na manhã desta sexta-feira (28). Manifestantes chegaram a atear fogo em pneus bloqueando rodovias.

Em Campinas, todos os terminais de ônibus ficaram fechados. A Rodoviária também chegou a ficar fechada por algumas horas, mas retomou o funcionamento. No Centro, manifestantes se reuniram em protesto. Até as 13h30 havia mil pessoas no ato, segundo a Polícia Militar, e 2 mil, segundo a organização.

O Aeroporto Internacional de Viracopos abriu normalmente e nenhum voo foi cancelado. No entanto, o acesso para o aeroporto foi difícil durante a manhã devido a bloqueios nas rodovias Santos Dumont, Anhanguera e Miguel Melhado. No final da manhã todas as rodovias que cruzam a região já estavam com trânsito normalizado.

Serviços afetados em Campinas

Situação dos serviços na região

Americana: duas Unidades Básicas de Saúde (UBS) estão fechadas. Escolas de educação infantil têm 13 unidades com atendimento parcial e 24 estão sem atendimento.

Sumaré: todas as creches e escolas municipais entraram em greve.

Mogi Guaçu: as aulas na rede municipal estão normais. O transporte público parou no início da manhã, mas já está normalizado.

Americana: as escolas estão fechadas por causa de conselho de classe

Indaiatuba: as escolas estão fechadas por causa de conselho de classe

Hortolândia: ônibus do transporte intermunicipal não circulam na cidade nesta sexta.

Veja abaixo vídeos com imagens dos protestos durante a manhã:

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*