Premiê da Hungria desafia União Europeia: ‘Não aceitarei ameaças’

Orbán disse que pode fechar fronteiras da Hungria

Orbán disse que pode fechar fronteiras da Hungria Reuters / Viktor Kessler / 11.9.2018

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, subiu o tom contra a União Europeia e afirmou nesta terça-feira (11) que não aceitará “ameaças e chantagens das forças pró-imigração”.

O líder de ultradireita discursou no Parlamento Europeu, que votará nesta quarta (12) um relatório que pede a abertura de um procedimento de infração contra Budapeste.

A moção é de autoria da eurodeputada holandesa Judith Sargentini, que diz que o texto faz uma “lista abrangente” de ataques do governo húngaro contra minorias, incluindo imigrantes e refugiados, a Justiça e a imprensa, o que representa uma “clara violação” dos valores da UE.

“Vocês já avaliaram esse relatório, e minha intervenção não os fará mudar de opinião, mas vim aqui mesmo assim. Vocês não condenarão um governo, mas a Hungria, que há mil anos é membro da família europeia. Estou aqui para defender minha pátria”, disse Orbán.

A moção de Sargentini questiona o tratamento dado por Budapeste a estrangeiros, como a lei que prevê um ano de prisão para ativistas e advogados que ajudarem imigrantes em situação irregular ou refugiados.

O projeto também proíbe a mudança na “composição da população nacional” por meio de “vontades externas”. “A Hungria será condenada porque decidiu não ser a pátria da imigração. Mas não aceitaremos ameaças e chantagens das forças pró-imigração. Defenderemos nossas fronteiras e pararemos a imigração clandestina mesmo contra vocês, se necessário”, acrescentou o primeiro-ministro.

Para ser aprovada, a moção precisa do apoio de dois terços do Parlamento Europeu, cuja maior bancada é do Partido Popular Europeu (PPE), ao qual Orbán é ligado. A legenda conservadora ainda não decidiu como se posicionar diante do relatório.

Seu ramo italiano, no entanto, prometeu apoiar o premier húngaro, como ficou acertado em um telefonema entre Orbán e o ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi. A ultranacionalista Liga também defenderá Budapeste, enquanto seu aliado no governo da Itália, o antissistema Movimento 5 Estrelas (M5S), votará a favor da moção.

“Quando criticamos o governo húngaro, o fazemos de modo preciso. Dizer que criticamos o povo húngaro é uma postura de covarde”, afirmou o vice-presidente da Comissão Europeia, Frans Timmermans.

Se o relatório for aprovado, a Hungria pode até ser colocada sob monitoramento de Bruxelas e perder seu direito a voto no bloco.

Orbán, no poder desde maio de 2010, dissemina a narrativa de que o bilionário húngaro-americano George Soros prepara uma “invasão” migratória por meio de seus “agentes”, como ONGs pró-direitos humanos.

Acompanhe o noticiário internacional no R7

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: