Saúde | Pílula e DIU aumentam chance de câncer de mama, mostra estudo

Mulheres que usam pílulas ou dispositivos anticoncepcionais que liberam hormônios enfrentam alta pequena mas significativa no risco de câncer de mama, de acordo com um grande estudo cujos resultados foram publicados na quarta-feira (6).

O estudo, que acompanhou 1,8 milhão de mulheres dinamarquesas por mais de uma década, derruba suposições comuns sobre os efeitos dos anticoncepcionais nas gerações mais jovens de mulheres.

Muitas mulheres acreditavam que os anticoncepcionais hormonais mais modernos eram muito mais seguros do que os usados por sua mães ou avós, que tinham dosagem muito mais alta de estrógeno.

O novo estudo estima que o uso de anticoncepcionais contendo hormônios eleva em 13 casos por cada 100 mil mulheres a incidência de câncer de mama.

Ou seja, para cada 100 mil mulheres que usam controle hormonal da concepção, há 68 casos anuais de câncer de mama, ante 55 casos entre as mulheres que não usam esse método.

Embora a correlação entre pílulas anticoncepcionais e o câncer de mama tenha sido estabelecida já há muito tempo, o estudo é o primeiro a avaliar o risco associado às formulações atuais das pílulas e dispositivos anticoncepcionais, em um universo amplo.

O estudo constatou pouca diferença de risco entre as diferentes formulações: as mulheres não se protegerão mais caso empreguem implantes ou dispositivos intrauterinos que liberem hormônio diretamente no útero.

A pesquisa também sugere que o hormônio progestina, amplamente usado nos métodos atuais de controle da natalidade, pode elevar o risco de câncer de mama.

“O estudo é importante porque não tínhamos ideia de como as pílulas modernas se comparavam às do passado, em termos de câncer de mama, e não tínhamos informação sobre os DIUs”, disse Marisa Weiss, oncologista que fundou o site breastcancer.org e que não participou do estudo. “Os ginecologistas presumiam que uma dose menor de hormônio significa menor probabilidade de câncer. Mas o risco continua elevado.”

“É um efeito pequeno mas mensurável, e se você considerar os milhões e milhões de mulheres que usam pílulas, essa é uma preocupação significativa em termos de saúde pública”, disse Weiss.

O estudo foi limitado, de acordo com os autores, por eles não poderem levar em conta fatores como atividade física, amamentação e consumo de álcool, que também podem influenciar o risco de câncer.

Dirigentes do Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas disseram que avaliariam cuidadosamente as novas constatações, mas enfatizaram que os anticoncepcionais hormonais estão “entre as opções mais seguras, efetivas e acessíveis”, para muitas mulheres.

Os especialistas também apontaram para alguns benefícios dos anticoncepcionais orais, que estão associados a reduções na incidência de câncer ovariano, endometrial e possivelmente de câncer colorretal, em anos posteriores da vida das participantes.

Chris Zahn, vice-presidente clínico do colégio de obstetrícia, reconheceu que existe uma correlação entre o risco de câncer de mama e o uso de hormônios, mas instou as mulheres preocupadas com isso a que consultem um médico de confiança antes que alterem seus regimes anticoncepcionais. “É importante que as mulheres se sintam confiantes e confortáveis com sua escolha de anticoncepcionais”, ele disse.

Porque o risco cresce com a idade, Weiss sugeriu que mulheres mais velhas deveriam considerar a adoção de métodos anticoncepcionais que não dependam de hormônios, como um diafragma ou DIU que não libere hormônios, ou camisinhas. “Não é como se não existissem opções”, ela disse. “Por que não buscar outra opção?”.

Em um comentário publicado em companhia do novo estudo, publicado pelo “New England Journal of Medicine”, David Hunter, professor de epidemiologia e medicina na Universidade de Oxford, Inglaterra, disse que o novo estudo não havia encontrado quaisquer métodos anticoncepcionais modernos completamente livres de risco.

“Havia a esperança de que os preparados contemporâneos pudessem estar associados a risco menor”, ele disse em entrevista. “Esse é o primeiro estudo com dados substanciais que demonstra não ser esse o caso.”

Quase 10 milhões de mulheres norte-americanas usam anticoncepcionais orais, entre as quais 1,5 milhão que os empregam por motivos não relacionados ao controle da natalidade. O número de mulheres norte-americanas que usam dispositivos intrauterinos, muitos dos quais liberam hormônios, cresceu nos últimos anos, como o número de mulheres que usam outros tipos de implantes anticoncepcionais hormonais.

Ainda que os anticoncepcionais orais mais antigos estivessem associados a um risco maior de câncer de mama, muitos médicos e pacientes presumiam que a nova geração de pílulas disponível no mercado oferecesse mais segurança.

Mas o novo estudo identificou que os riscos continuam tão mais altos quanto foi constatado em pesquisas anteriores, sobre pílulas anticoncepcionais usadas no passado, nos anos 80 e ainda antes, disse Hunter.

“Na verdade esperávamos constatar que o risco adicional era mais baixo, porque temos doses menores de estrógeno nos anticoncepcionais hormonais, e por isso é surpreendente que tenhamos identificado essa correlação”, disse Lina Mørch, pesquisadora sênior da Universidade de Copenhagen e principal autora do novo estudo.

O trabalho também constatou que o risco crescia em proporção à duração do uso de anticoncepcionais hormonais pelas mulheres, o que sugere uma relação causal, disse Mørch. “Para nós é um quadro muito claro, muito convincente”.

O estudo, cujo universo abarcava toda a população dinamarquesa, acompanhou cerca de 1,8 milhão de mulheres em idade fértil por em média mais de uma década, extraindo dados dos registros nacionais de receitas médicas e pacientes de câncer. No período, foram identificados 11.517 casos de câncer de mama.

Os pesquisadores concluíram que as usuárias de anticoncepcionais hormonais registraram 20% adicionais de risco de câncer de mama, comparadas às não usuárias, ainda que o risco cresça com a idade e varie de acordo com a formulação dos anticoncepcionais usados.

Ainda assim, o risco adicional poderia resultar em comparativamente poucos casos adicionais de câncer de mama, afirmam os pesquisadores.

O aumento na incidência de câncer de mama associado aos hormônios também foi pequeno porque as mulheres jovens são um grupo de baixo risco. Mas a probabilidade cresce entre as mulheres que usaram anticoncepcionais hormonais por mais de 10 anos, constatou o estudo.

Entre aquelas que usaram anticoncepcionais hormonais por cinco anos, o risco adicional de câncer de mama persiste mesmo depois que o uso dessa categoria de medicamentos é descontinuado, de acordo com Mørch.

O que realmente surpreendeu os pesquisadores foi que o risco ampliado não se confinava a mulheres que usam contraceptivos orais, mas também se aplicava às mulheres que usam DIUs que liberam o hormônio progestina. (Nem todos os DIUs liberam hormônios.)

As mulheres que usam um dispositivo intrauterino que libere apenas progestina enfrentam risco de câncer de mama 21% mais alto que o das não usuárias, segundo o estudo.

As constatações apontam que a progestina eleva o risco de câncer; muitas das pílulas anticoncepcionais e DIUs contêm apenas progestina, segundo Mørch.

Um risco relativo 20% mais alto pode ser pequeno, em termos absolutos, mas o cálculo muda com a idade. Para uma mulher de 20 anos, por exemplo, a probabilidade de desenvolver câncer de mama nos 10 anos seguintes é de 0,06%, ou uma em 1.732, de acordo com o site breastcancer.org.

Mesmo com uma elevação de 20% no risco relativo, ele continua abaixo de 0,1%.

Mas quando a mulher chega aos 40 anos, a probabilidade de que ela desenvolva câncer de mama nos dez próximos anos é de 1,45%, ou um em 69. Uma elevação de 20% no risco eleva a probabilidade a 1,74%, ou um em 57.

Mulheres que usaram anticoncepcionais hormonais por dez anos ou mais elevam em 38% seu risco relativo de câncer de mama, ante as não usuárias. Em contraste, não existe alta no risco de câncer de mama para mulheres que tenham usado anticoncepcionais hormonais por menos de um ano.

Na Dinamarca, mulheres mais velhas, que já completaram suas famílias, costumam usar DIUs, o que inclui DIUs que liberam hormônios, e a probabilidade de que desenvolvam câncer de mama já é mais alta por conta da idade, disse Mørch.

“Nada está livre de riscos, e os anticoncepcionais hormonais não são exceção”, disse Øjvind Lidegaard, principal autor do estudo. Mas ele sugere que os médicos discutam os prós e contras dos diferentes anticoncepcionais com suas pacientes, e que sejam francos sobre os possíveis riscos, sugerindo que as mulheres reavaliem o uso de anticoncepcionais hormonais à medida que envelhecem.

O estudo foi bancado por uma verba de pesquisa da Fundação Novo Nordisk, que se descreve como “uma fundação dinamarquesa independente com interesses empresariais”, e que apoia pesquisas médicas em instituições públicas e de empresas do grupo Novo. (A Novo Nordisk é uma empresa da área da saúde cujo foco é o combate ao diabetes, e que também produz os implantes tópicos Vagifem, para mulheres na menopausa.)

Um pós-escrito do artigo aponta que dois dos autores, entre os quais Mørch, foram contratados pela Novo Nordisk depois que o manuscrito foi aceito para publicação.

p(tagline) Tradução de PAULO MIGLIACCI

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*